‘El Hormiguero 2’ amplia base de dados de nativos digitais latinoamericanos

Por Tainah Ramos jun 06, 2024

Estudo da Fundação Gabo inclui cinco novos países e traz também pesquisa da Ajor para abordar cenário brasileiro

O crescimento do ecossistema de jornalismo digital na América Latina nos últimos cinco anos é marcado por dinamicidade e inovação nos formatos de conteúdo, nos modelos de negócio e nas estratégias de relacionamento com a audiência. Entender o contexto de atuação e os desafios de sustentabilidade dessas organizações são os objetivos para a produção do “El Hormiguero”, o mapeamento mais robusto sobre mídias nativas digitais na região.

Liderado pela Fundação Gabo e apoiado pela Google News Initiative, a segunda parte do estudo foi lançada nesta quarta-feira (05). Se a primeira edição se concentra em 12 países (Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Nicarágua, Peru e Venezuela), a segunda inclui mais cinco – Honduras, Panamá, Costa Rica, Paraguai e Uruguai. Foram somados, assim, 236 novos meios nativos digitais aos 1.521 listados anteriormente, resultando em 1.757 veículos apurados pelo projeto, um aumento de pouco mais de 15% em relação à edição anterior.

“El Hormiguero 2 nos mostra que as grandes tendências encontradas no estudo passado se confirmam no presente: a vitalidade da criação dos meios nativos digitais, seu surgimento recente como espécie de avalanche comunicativa, o pequeno porte das redações, o papel das mulheres como empreendedoras de comunicação e a composição das pautas. Basta observar as temáticas priorizadas nesses meios para refletir sobre a ordem de prioridades que estão definindo em suas sociedades: o meio ambiente, as mudanças climáticas e o reconhecimento da dignidade de grupos como a população LGBT”, explica Jaime Abello Banfi, diretor geral da Fundação Gabo.

Para Abello, a inserção do novo grupo de países trouxe uma percepção de outras particularidades que não apareceram na primeira observação. A continuação do estudo permitiu, por exemplo, que pesquisadores explorassem países da América Central com problemas de violência, como Honduras, e de exílios, como a Costa Rica.

A nova edição traz também um panorama da mídia digital brasileira a partir da pesquisa que a Ajor (Associação de Jornalismo Digital) realizou com suas associadas em 2023, para monitorar a transformação do ecossistema jornalístico no país, com perguntas sobre modelos de negócio, organização e diversidade de gestão e práticas editoriais. Como foi observado em outros países, os temas de direitos humanos e meio ambiente estão entre as principais produções desses veículos. A eles, se somam a cobertura de diversidade e raça e gênero.

“Três quartos dos entrevistados se dedicam a um tema específico. Essa segmentação, tendência do panorama contemporâneo, amplia o impacto do jornalismo na sociedade brasileira e contribui para dar complexidade à percepção da realidade”, explica Abello, que considera o Brasil como um país de extrema relevância para o cenário midiático latinoamericano. “Também vale destacar o tipo de jornalismo feito, principalmente narrativo, de soluções e explicativos. Essas são práticas que mostram uma preocupação com o impacto e com produtos mais contextualizados e de maior profundidade.”

Diretora executiva da Ajor, Maia Fortes ressalta a importância da inclusão da pesquisa da Associação no projeto da Fundação Gabo. “Acompanhamos o lançamento da primeira parte do El Hormiguero em 2022 e ficamos muito felizes com o convite para integrar o segundo relatório. É essencial que existam dados sobre esse ecossistema tão jovem que vem se desenvolvendo de diversas maneiras pelo mundo. Desse modo, foi muito importante para a Ajor contribuir com um estudo sobre a América Latina, até mesmo para que se possa comparar as informações e compreender as semelhanças e as diferenças das organizações brasileiras em relação aos vizinhos. Esses dados informam e inspiram a atuação cotidiana de organizações como a Ajor.”

Os dados oferecidos pela Ajor podem ser estudados de forma autônoma ao dos 17 países considerados pelo El Hormiguero, ao mesmo tempo que permitem estabelecer um diálogo entre as informações para análises e conclusões.

Além da inclusão do Brasil, o estudo traz uma abordagem inédita sobre as mídias nativas digitais latinas nos Estados Unidos, um tema com pouca literatura acadêmica. A pesquisa realizou uma análise comparativa de 10 meios localizados nos polos de imigração latina no país. O surgimento dessas organizações busca responder às suas audiências perguntas que os meios tradicionais não respondem, sendo também um trabalho de escuta e ações em meio à comunidade.

Confira El Hormiguero 2 na íntegra.

outras notícias

veja também